Pages

Subscribe:

terça-feira, 21 de maio de 2013

Comissão da Verdade pretende divulgar os nomes de 61 torturadores e agentes da ditadura essa semana


DL - A comissão não pode, no entanto, abrir nenhum processo criminal contra torturadores e agentes do regime. Serão divulgados também os locais onde funcionavam os centros de tortura.

A Comissão Nacional da Verdade irá divulgar essa semana os centros de tortura clandestinos utilizados durante a ditadura militar.

Os locais onde os perseguidos políticos foram torturados antes de serem entregues às unidades do exército, como o DOI-Codi, são até hoje desconhecidos.

Também serão divulgados os nomes de 61 torturadores e agentes do regime militar, que já foram ouvidos pela comissão, e documentos inéditos produzidos pelos órgãos de repressão.

“Temos uma lista de 1.500 nomes de torturadores e agentes, de uma listagem básica. Temos que descobrir se estão vivos, o RG (identidade), o último endereço. Já levantamos 250 nomes e entrevistamos 61. E é uma entrevista que tem que ser bem preparada, para não fazermos papel de tontos. O sonho de toda comissão é ter mais tempo de trabalho”, declarou Paulo Sérgio Pinheiro, um dos membros da comissão.

A Comissão da Verdade também poderá incluir no seu relatório final uma recomendação para que os torturadores do regime militar sejam punidos, mas ela não pode abrir nenhum processo criminal nem nada.

Os responsáveis pelas torturas e pelo desaparecimento de milhares de pessoas são protegidos graças ao Supremo Tribunal Federal, que confirmou que esses crimes estão cobertos pela Lei da Anistia.

O que mostra o que é o STF, uma das instituições mais retrógradas e antidemocráticas. Ao invés de punir os torturadores, os ministros revalidaram a Lei de Anistia, feita pelos militares ainda durante a ditadura.

Diferente do que ocorreu na Argentina, por exemplo, em que os torturadores da ditadura foram condenados, muitos à prisão perpétua, no Brasil, esses criminosos continuam protegidos pelo governo e pelas instituições do regime político, como o STF.


O ditador argentino Jorge Rafael Videal morreu essa semana na sua cela na prisão. A ditadura argentina foi responsável pelo sequestro, tortura e morte de 30 mil pessoas, além disso os agentes do regime roubaram 500 bebês, filhos de desaparecidos políticos. No Brasil, sequer sabemos o número de pessoas que foram torturadas e mortas e a quantidade de torturadores e agentes do regime.

Na Argentina, a ditadura militar durou de 1976 a 1983. Em 1985, teve início os julgamentos aos militares e em 1998 teve a abertura dos processos por sequestro de crianças, crime não incluído nos julgamentos dos anos 80. De 2005 a 2007 teve a abertura de novos julgamentos.

No Brasil, a Comissão da Verdade foi criada no ano passado, 27 anos depois do fim da ditadura, e não tem nenhum poder de punição.

Segundo divulgação da Comissão da Verdade, uma das recomendações que estarão presentes no relatório final será a mudança no ensino de História das academias militares, que ainda elogiam o golpe.

Outa recomendação será alterar os nomes de ruas e obras públicas que homenageiam torturadores do regime militar, como a Rua Sr. Sérgio Fleury e a Avenida Castelo Branco, em São Paulo.

Certamente isso é muito pouco perto do que muitas pessoas esperavam que a comissão realizasse e tendo em vista que o sistema judiciário é formado em grande medida por pessoas que colaboraram com a ditadura, é muito difícil que algo de fato seja feito no sentido de punir aqueles que torturaram e assassinaram milhares de pessoas.

Fonte:    PCO e Diario Liberdade

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution-ShareAlike 2.5 Brasil.