Pages

Subscribe:

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Detroit, o império ao microscópio.

Antonio Santos- À medida que a bancarrota de Detroit entra nos últimos trâmites legais, a classe operária da cidade afunda-se num ciclo de empobrecimento sem fim à vista: uma hecatombe social que modela o futuro da crise estrutural do capitalismo e se repercute na agenda imperial.

A história não é nova: em tempos apelidada de capital automóvel mundial, a cidade que foi nos anos cinquenta o exemplo proverbial da vitalidade do capitalismo é hoje a metáfora acabada da sua irreversível decadência. Mesmo após várias de tentativas bilionárias de revitalizar as indústrias com injeções públicas de capital, sucediam-se as deslocalizações, as insolvências e os despedimentos. Paulatinamente, o velho capital industrial cedia ao apelo da financeirização: concentrava-se e desmoronava-se com vertigens de jogador de casino. Nessa altura, o partido bicéfalo do capital assegurava que a «economia era mesmo assim».

Mas quando Detroit despertou do torpor, as indústrias automóveis tinham partido e deixado uma dívida de quase 20 000 milhões de dólares, a maior dívida municipal da história e o pretexto de que o grande capital precisava. Então, o poder político da cidade foi substituído por cargos não eleitos, chefiados por Kevyn Orr, o «gestor de emergência». No entanto, rapidamente se tornou claro que o estado de exceção estava para durar, em 2013 eram mais seis meses, depois falaram em mais um ano, agora declaram que Detroit estará sob a ditadura da «emergência» durante  mais treze anos.

«A água não é um direito fundamental»


O consulado de «emergência» de Orr pôs em marcha a privatização dos museus, dos terrenos públicos e dos parques de estacionamento. Atirou para o caixote de lixo as reformas de 32 000 funcionários públicos e colocou a gestão da água sob a tutela da Great Lakes Water Authority, uma mega entidade desresponsabilizada e facilmente privatizável. Os resultados estão à vista: só desde Janeiro de 2013 a água foi cortada a 50 000 famílias de Detroit, um número que aumenta em 400 por dia, criando um monstruoso problema de saúde pública. Para parar este crime, as vítimas interpuseram um recurso em tribunal, alegando que os cortes de água violam a 14.ª Emenda Constitucional (usada amiúde para atacar os direitos das mulheres), que proíbe os estados de «privar qualquer pessoa do direito à vida».

No dia 30 de Setembro o juiz Federal Steven Rhodes tornou conhecida a sua decisão: nos EUA a água não é um direito fundamental. Segundo o magistrado «Esse direito não existe na lei. Da mesma forma que não há direito às necessidades da vida como a habitação, a alimentação, ou cuidados médicos». Mas mais do que um autêntico tratado e declaração de princípios sobre a natureza do capitalismo, o veredicto sobre Detroit é o tubo de ensaio das classes dominantes para os EUA.

Um mundo em agonia

Não é só Detroit que não consegue sair da crise, são os EUA: é o capitalismo. Segundo Beth Ann Bovino, a economista chefe da Standard & Poor’s, esta «recuperação» é «a pior dos últimos 55 anos». Com efeito, a economia caiu 2,9% nos primeiros três meses do ano e, pela primeira vez na história, a taxa de criação de emprego nos últimos 10 anos foi de 0%. 50 milhões de estadunidenses continuam a viver na pobreza e 20 milhões continuam desempregados. 58% dos poucos empregos criados desde 2010 são remunerados abaixo de 14 dólares à hora e, embora nos últimos quatro anos os lucros das maiores empresas tenham aumentado 70% para cerca de dois triliões de dólares, o preço do trabalho como percentagem do PIB baixou para o valor mais baixo dos últimos 65 anos. Por toda a economia estadunidense, avisam os gurus neoliberais, formam-se novas e gigantescas bolhas especulativas. De crise sistémica em crise estrutural, o capitalismo apresenta uma cada vez maior dificuldade em recuperar. De recuperação em recuperação e em afronta ao progresso tecnológico e científico, os povos são cada vez mais pobres. O capitalismo assume frontalmente a inépcia de não conseguir assegurar nem os direitos mais básicos, como a água.

Como em Detroit ou Ferguson, é cada vez mais difícil cumprir os interesses do capital sem recorrer à violência nem suspender os formalismos da democracia burguesa. As cidades dos EUA convertem-se proporcionalmente em versões microscópicas da política externa norte-americana. A administração de Obama (Nobel da Paz) já bombardeou e invadiu sete países (Líbia, Iraque, Afeganistão, Iémen, Síria, Somália e Paquistão) em obediência aos monopólios financeiros. Ao mesmo tempo, reprime brutalmente o seu próprio povo. Para matar a gula de uns e matar os outros à fome.


 Fonte: Avante

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution-ShareAlike 2.5 Brasil.