Pages

Subscribe:

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

PT quer CPI para apurar venda de emendas.

f

fonte imprensa PT Alesp

Os deputados do PT na Assembleia Legislativa de São Paulo apresentaram pedido de CPI para investigar denuncia de venda de emendas e atendimento a lobby de empreiteiras junto a administrações municipais, feita recentemente pelo deputado Roque Barbiere (PTB), inicialmente a um canal de internet e posteriormente reiterado em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo.

Dias depois da veiculação das declarações do deputado Roque Barbiere, os parlamentares Major Olímpio e Bruno Covas (atualmente licenciado e dirigindo a secretaria estadual de Meio Ambiente), também disseram à imprensa ter conhecimento da prática de venda de emendas.

O tucano Bruno Covas narrou ao jornal um episódio em que, quando deputado estadual, um prefeito lhe ofereceu cinco mil reais pela liberação de uma emenda “Uma vez, eu consegui uma emenda de R$ 50 mil para obra de um município. Assinamos o convênio e depois o prefeito veio perguntar com quem deixava os R$ 5.000", relatou Covas.

Já o deputado Major Olímpio, também em entrevista ao mesmo veículo contou ter ouvido do presidente de uma entidade o relato sobre a artimanha.

Por conta destes fatos os petistas defendem que os deputados Roque Barbiere, Bruno Cavas e Major Olímpio sejam ouvidos pelo Conselho Ética da Assembleia. Para o líder do PT, deputado Enio Tatto trata-se de um fato de extrema gravidade e que precisa ser esclarecido à opinião pública, o mais breve possível.

Além da presença dos deputados no Conselho de Ética, o líder petista destacou o papel da CPI. “Embora estejamos participando e apoiando os trabalhos do Conselho de Ética, com os deputados Luiz Claudio Marcolino e Marco Aurélio, este inclusive na condição de vice-presidente; uma CPI dispõe de mais recursos jurídicos para apurar as denúncias,” defendeu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution-ShareAlike 2.5 Brasil.