Pages

Subscribe:

quarta-feira, 5 de junho de 2013

A solicitação de ingresso da Colômbia à OTAN é uma punhalada na Unasul


Yvke Mundial

Sergio Rodríguez Gerlfenstein, internacionalista e professor universitário

02/06/13.-Sergio Rodríguez Gerlfenstein, internacionalista e professor universitário, participou no programa Construindo a Utopia, transmitido pelo YVKE Mundial, para opinar sobre a solicitação do ingresso da Colômbia na Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), realizada pelo presidente da dita nação, Juan Manuel Santos.

O internacionalista explicou que a decisão de Santos precisa ser analisada dentro do contexto da visita do vice-presidente dos EUA à Colômbia e após a visita do governador Capriles Radonski ao território colombiano.

“A decisão de solicitar a incorporação da Colômbia à OTAN deve ser analisada a partir do tema da guerra na Colômbia, porque é estrutural”, assinalou Rodríguez Gerlfenstein. O professor recordou que a Colômbia é um país que vive há 50 anos em guerra e que a possibilidade de alcançar a paz com as negociações que se desenvolvem em Havana, significará a desmobilização das Forças Armadas Colombianas e, assim, uma redução do aparato militar.

“A guerra tem sido um grande negócio que, não chegando ao fim, pode prejudicar a economia. Se a participação das Forças Armadas Colombianas for reduzida, sua inserção na OTAN daria a oportunidade de participar nas lutas bélicas que os EUA empreendem”, analisou Rodríguez Gerlfenstein

Outra análise do internacionalista parte do fato de que a OTAN assinou um tratado de livre comércio à Colômbia durante o mandato de Juan Manuel Santos, o qual abre possibilidades econômicas à Colômbia.

Rodríguez Gerlfenstein afirmou que o ingresso da Colômbia à OTAN cumpriria um velho desejo dos Estados Unidos de inserir na América Latina a lógica bélica da organização.


“Existe uma velha intenção dos EUA em incorporar a lógica imperial na região latino-americana. Nos anos 80 e 90, quiseram projetar a OTAN e existiu a intenção de criar o Tratado do Atlântico Sul”, explica o internacionalista.

Uma punhalada na UNASUL

A decisão do presidente Juan Manuel Santos de solicitar o ingresso da nação que dirige à OTAN é, para o internacionalista, uma punhalada na União Nacional das Nações Sul-americanas (UNASUR).

“Após a visita do vice-presidente dos EUA à Colômbia, fica claro que aqui existe uma imposição e um acordo da oligarquia colombiana com os EUA para romper a UNASUR”, disse Rodríguez Gerlfenstein.

Segundo o professor, existe um plano, pois essa “não é uma iniciativa isolada da Colômbia. A Colômbia foi o país eleito e, certamente, isso é foi pedido em troca de ter assinado o Tratado de Livre Comércio”.

Por que a OTAN não desapareceu?

Rodríguez Gerlfenstein explica que a estrutura da OTAN foi criada para fazer frente à União Soviética durante a Guerra Fria e diz que se a guerra terminou e a OTAN continua existindo, quer dizer que os objetivos imperialistas vão além daquele inimigo.

“Para justificar a existência criaram novos inimigos, como o terrorismo e o narcotráfico. A OTAN surge em 1949, quando se formalizou a Guerra Fria. É a mesma lógica de estruturação e controle militar dos EUA”, aponta Rodríguez Gerlfenstein.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution-ShareAlike 2.5 Brasil.