Pages

Subscribe:

domingo, 8 de janeiro de 2012

Navios de Guerra russos entram no porto de Tartus, na Síria.



Uma  frota de navios de guerra russos entrou hoje no porto sírio de Tartus, onde a Rússia mantém uma base de abastecimento e apoio técnico às suas armadas de guerra. As autoridades sírias interpretam isso como sinal de solidariedade.

Segundo um porta-voz do Ministério da Defesa da Rússia, a frota de navios  de guerra é composto pelo porta-aviões Admiral Kuznetsov, pelo navio de  combate a submarinos Admiral Tchabanenko, o navio de guarda Ladni, o rebocador  Nikolai Tchiker e o petroleiro Lena. 

"Os navios, depois de reabastecidos, abandonarão águas sírias e continuarão  os seus exercícios", acrescentou o porta-voz, frisando que "os armamentos  e meios técnicos dos navios funcionam normalmente". 


A agência noticiosa síria SANA considerou esta visita uma "demonstração  de solidariedade com o povo da Síria". 

"A visita dos grandes  navios  visa aproximar os nossos dois países e reforçar  os laços de amizade entre eles", afirmou um dos oficiais russos, citado  pela agência. 

Arif al-Haddaf, governador de Tartus, declarou, na cerimónia de recepção  dos navios, que "merece respeito a posição da Rússia de apoio ao povo sírio".

A Rússia mantém em Tartus uma base de apoio material e técnico aos navios  das suas armadas, onde trabalham cerca de 50 marinheiros russos e se encontra  permanentemente uma doca seca da Armada do Mar Negro. 

A agência SANA informou que a visita dos navios russos irá durar seis  dias, mas o Ministério da Defesa da Rússia sublinha que os navios  de guerra  deverão abandonar o porto já segunda-feira.


 fonte: agencia Lusa

Um comentário:

BURGOS disse...

Professor Geovane

É muito bom ver que ainda existe solidariedade contra o Imperialismo Americano.
Espero que com isso os EUA pensem duas vezes antes de começar um conflito maior.

Um abraço meu amigo

Postar um comentário

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution-ShareAlike 2.5 Brasil.