Pages

Subscribe:

sábado, 30 de abril de 2011

São Paulo e o desgoverno do PSDB! 16 longos anos de agressividade, violência e sucateamento da Educação Pública!!


Quando os tucanos venceram as eleições de 1994, em São Paulo elegendo Mário Covas, havia um expectativa, oriunda de certos substratos da trajetória política de Covas, evidentemente dentro dos padrões da normalidade pública do estado, nada mais além disso, de que ele mudaria os rumos da política no grande estado de São Paulo, naqueles idos chamado de "locomotiva do Brasil", apesar das vergonhosas políticas públicas até então executadas "pelos representantes da velha elite conservadora paulita", como apregoavam vários tucanos pelos quatro cantos do estado

Covas venceu e algo mudou! Teve início a aplicação da cartilha neoliberal na íntegra, com a celeridade a rapidez e a impressionante visão tucana no gerenciamento da coisa pública.

Recordo-me de um episódio, logo no prefácio da gestão de Covas, quando participei de uma reunião com representante da Diretoria de Ensino-na época Delegacia de Ensino- em Mte do Paranapanema-sp, que havia estado em reunião com secretários do novo governo, na capital, e fez a seguinte observação logo após ter-lhe indagado sobre a questão salarial, que naqueles idos já desmotivava e arrassava os sonhos de vários profissionais da área. (.. ) ele obtemperou e completou: __ O governador, nos disse em reunião, que a Educação no governo dele tem como prioridade 1 -salário, prioridade 2-salário e prioridade 3, adivinhe?! -salário. É, foi exatamente! Ficou somente na letra.
Palavra de tucano não tem valor algum, sobretudo aquelas disparadas do palácio dos Bandeirantes!

Na ocasião da chegada ao governo de SP, Covas e as secretarias de Educação e da Fazenda reafirmaram em reuniões com sindicatos da Educação que os professores contariam com um plano de recuperação de perdas e reajustes salarias com base na arrecadação do ICMS- atrelaria e manteria portanto, os adicionais de salário com relação as variações dessa rubrica. Os tucanos , as vezes, até conversam, demonstram interesse!! O sindicato fez seus questionamentos de praxe porém acabou cedendo por ausência de força e "certa fragilidade de mobilização da categoria" fenômeno lamentável que reporta a certas variáveis insistentes que existem nos meios sindicais.

Pois bem a arrecadação do ICMS do estado de São Paulo veio numa ascendente-(2001-33.304),(2002-35.810),(2003-39.231),(2004-45.415),(2005-50.248),(2006-54.321),(2007-62.217),(2008-75.212),(2009-77.516). Valores nominais em milhões- dados da Secretaria da Fazenda do estado.

E olha que isto vem acontecendo a décadas e cada vez mais os salãrios de professorese e de outros servidores da aréa vem perdendo ano a ano o poder de aquisição. Muitos trabalhadores da área de Educação, principalmente professores, têm conhecimento sobre os direitos previstos nas Constituições Federal e Estadual, sobretudo ao que se refere a obrigatoriedade de investimentos no setor.

Nossas perdas certamente estão muito acima de 36% conforme tenta nos convencer o governo com propostas que, senão bastasse serem insatisfatórias, poderão ter o mesmo endereço das anteriores. No ano de 2010 os professores realizaram uma greve de 33 dias com adesão sofrível em decorrência do fenômeno de enfraquecimento, arrefecimento e desmotivação da categoria, quadro esse que já vinha na alerta para novas preocupações. A relação e a forma como os governos do PSDB vinham atuando e a maneira como os sindicatos da categoria procediam conduzindo e realizando os encaminhamentos da classe contribuiram para aumentar tal quadro. O fenômeno do " sindicalismo de resultado", tão condenável e nefasto para os trabalhadores atingiu também vários sindicatos do estado de São Paulo contribuindo para aumentar, ainda mais, as frustrações e desmotivações de muitos profissionais da área. Por singular ironia as doutrinas falsas parecem granjear uma popularidade assombrosamente rápida. Tempos mais adiante,todavia, são desmascaradas.

Concomitantemente a esse contexto, fenômeno mais grave e detestável, tem conduzido as ações dos governos de São Paulo que têm sido renitentes e certeiros em suas práticas deletérias e históricas.

Gastam muito por exemplo, a próposito valores escandalosos, para abafar CPIs na Alesp cujo orçamento deu um salto de 271 para 680 milhões de reais.
Covas, Geraldo e Serra trataram, ao longo desses 16 anos- aproximadamente 5.800 dias- em períodos variados e amiúde, a cassetadas, tiros de borracha, que ferem e muito,bombas, etc,os professores, policiais e outros servidores estaduais para manter o "arocho e o choque de gestão", palavras inclusive reiteradas vezes proferidas pelo Geraldo, e com ênfase!.

O interessante nisso tudo é que os deputados estaduais têm um tratamento bastante dócil com aumento do orçamento de 25% nos últimos 10 anos portanto três vezes acima da inflação do período, 89,88% piso do IPCA. DE 2001 até 2010 a Alesp teve um aumento de 271 para 680 milhões o que significa, conforme reza a LRF, que os tucanos nesse caso fazem questão de contemplar, arrocho para servidores públicos o que pode-se traduzir em mais big stick e mais balas de borracha. (..) __ Não meu filho, essas balas não machucam, são de brincadeira, só fazem cócegas! disparou aquele simpatizante dos tucanos!

Clareando mais. Dos 94 deputados estaduais de São Paulo cada um recebe salário de R$ 20.042,34 que é o teto máximo e mais R$ 21.812,50 de verbas indenizatórias para despesas com consultorias, passagens aéreas,hospedagem, combustível telefone,correios e outros tipos de gastos. Recebem ainda automaticamnete auxílio moradia no valor de R$ 2.250,00 mensais, tendo imóvel ou naõ na capital.

Os governos tucanos falam sempre em arrocho e cortes. Mas também na Alesp houve a renovação da frota de carros; São 150 carros zerados modelo Vectra Elite 2.0 GM. Dados da montadora demonstram que esta versão tem: air bags frontal e lateral, computador de bordo, sensor de chuva, freios ABS com EBD, acabamento em couro, premium sound, antena shark, teto solar- alguém gritou pára- e ajustes elétricos do banco do motorista. Enquanto isso os professores e muitos trabalhadores da Educação têm salários de pouco mais de 1 mil reais!

Outro dia um jornalista de Tv, em entrevista com o novo Secretário de Educação do estado indagou-lhe e até reclamou dos baixos salários, reportando inclusive a comparações com os salãrios de assessores de parlamentartes que ganham até três vezes mais do que um professor que tem nível universitário. O Secretário esquivou-se como tem sido nos últimos 16 anos.

É até questionável, porém legal, o direito que eles têm, os parlamentares , de receberem tais provimentos mesmo que em proporções assaz excêntricas. Ocorre que o parlamento precisa fazer sua parte. E a coisa parece ficar, e é isso que acontece, sempre entre aquelas minorias da esquerda, como na maioria dos parlamentos do mundo, onde são eles que se dedicam ,lutam e provocam o embate dessas questões,e acabam isoladamente ficando. A grande mídia tem grande culpa nisso tudo pois contribue para esse ostracismo. Seria tão fácil se fosse simples, não? Mas não há complexidade nisso! Ou será que há?

Simplex Veri Sigillum!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution-ShareAlike 2.5 Brasil.