Pages

Subscribe:

terça-feira, 6 de março de 2012

Estudantes sofrem até hoje a “modernização” de Rodas na faculdade de Direito

Os estudantes do Largo São Francisco não conseguem acessar os livros da maior biblioteca jurídica da América Latina. Os livros estão em locais improvisados impedindo sua boa utilização


João Grandino Rodas, reitor-interventor da USP e considerado persona non grata na sua Faculdade de origem, o Largo São Francisco, causa problemas para os estudantes mesmo após sua saída do cargo de diretor da faculdade há quase três anos.

O acesso dos estudantes às bibliotecas com cerca de 160 mil livros continua muito precário. O acervo dos departamentos está dividido entre o prédio histórico e um edifício anexo, na Rua Senador Feijó, centro de São Paulo.

Mesmo as medidas judiciais não conseguiram colocar em funcionamento pleno a biblioteca. Os livros da maior biblioteca jurídica da América Latina foram jogados em um prédio sem condições em caixas. As caixas não tinham identificação e foram empilhadas com pesos maiores dos que indicados para a conservação dos livros. Após protestos dos estudantes, parte dos livros foi retirada do prédio, mas o problema está longe de ser resolvido.

Os livros que estão ainda no prédio anexo ficam expostos às infiltrações e ao sol. Não há ar condicionado para a conservação dos livros nem a ventilação adequada.



Uma parte da biblioteca voltou para o prédio principal depois de decisão judicial.

Em alguns dias, sem que a comunidade universitária pudesse reagir, os livros foram retirados da biblioteca, encaixotados em um prédio com infiltrações, além de as caixas estarem sobrepostas sem o cuidado de evitar o excesso de peso. O Ministério Público pediu investigação sobre o caso, por ser este um patrimônio público.

O banco Santander solicitou a utilização de um andar do prédio declarado de utilidade pública pelo Decreto 55.295, de 29 de dezembro de 2009 para fins de desapropriação. O Banco Santander solicitou manter a agência em um andar do prédio, sem nenhuma contrapartida para a universidade. No último ano, em crise entre a reitoria e a diretoria da faculdade, veio à tona a negociação sorrateira entre Rodas e o Santander, que financiou a rápida mudança dos livros da faculdade para outro prédio.

Apesar da decisão da atual direção da faculdade de negar o pedido do Banco, até agora a agência continua tranquilamente instalada no prédio da faculdade.

Os estudantes devem se levantar contra esta situação e exigir a imediata retirada dos livros das caixas e a volta do funcionamento total da biblioteca. Nos locais que podem usar os livros também é muito precário, sem local para a consulta. Além disso, devem exigir uma auditoria nas contas e reformas da faculdade.

Os estudantes também devem exigir a formação de uma comissão que investigue todos os meandros dos acordos de Rodas com a iniciativa privada na Faculdade e suas conseqüências e assim conseguir impedir seu plano de estendê-los para toda a universidade com o cínico nome de “modernização”.

fonte: site PCO




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution-ShareAlike 2.5 Brasil.