Pages

Subscribe:

domingo, 26 de junho de 2011

Vozes, de várias partes do mundo, se levantam contra invasão da Líbia pela OTAN. Ao que tudo indica ainda há muito por fazer!



Cada vez mais vozes se levantam contra os crimes cometidos pelos Estados Unidos da América contra a humanidade. Agora foi a vez de Cynthia McKinney, ex membro do congresso dos EUA eleita pelo partido “democrático” hoje, ela é integrante do Green Party, o partido verde que fomenta alguns princípios onde incluem-se a justiça social, a democracia de base, a não violência e uma certa dose enfática ao ambientalismo. Os “verdes” acreditam que a prática desses princípios contribui para melhorar a saúde mundial. Bem, esse discurso dos verdes, que em sua maioria são oriundos da direita com base nas classes média e média alta, nós conhecemos bem. Na verdade, eles são os mesmos aqui ou alhures. O modus operandi e suas concepções econômicas são, observadas as devidas proporções, muito similares para não dizer as mesmas. Mas voltemos a senhora McKinney.

Ela condena com veemência aquilo que a OTAN chama de “intervenção humanitária”. McKinney diz que na verdade trata-se de uma invasão a um país africano fenômeno esse historicamente presente nas relações que os países europeus “civilizados” vêm mantendo com nações africanas. Sua declarações sobre a atuação da OTAN na Líbia ainda sugerem várias indagações.

Em suas declarações, a ex congressista democrata, relata que existe toda uma série de ações absurdas da OTAN sustentadas por mentiras acobertadas pela mídia e que tem levado ao assassinato de vários civis que, ameaçados em suas casas e encurralados pelas ações da OTAN não têm alternativas e são, forçosamente, levados a não verem outras perspectivas a não ser aquela deixada pelos invasores que anuncia um convite para que abandonem suas casas e seu país. Observa ainda, com bastante precisão, que é necessário que as vozes que se voltam contra esses crimes sejam ouvidas e façam algo imediatamente, sob pena de estarem reforçando as teses do macabro secretário de Defesa dos EUA, Dick Cheney. Cheney foi aquele que dirigiu a criminosa operação Tempestade no Deserto em 1991 que invadiu o Iraque matando milhares de inocentes. O ex chefe de gabinete de Gerald Ford, ainda afirmou em determinada ocasião, ao se referir a suas predileções, que “nós estamos simplesmente preparando as futuras gerações para os segredos e necessidades da guerra”.

Quando as coisas atingem esse nível de agressividade e ousadia, algo está muito errado, e isso parece ser axiomático, com os humanos e o futuro da espécie encontra-se ameaçada. Realmente algo está muito errado. Por quê não há resistência, ao menos nas proporções necessárias, contra essas atitudes dos EUA e da OTAN? Esses assassinos disparam bombas e munições que contem urânio empobrecido- leia-se radioativo- e outras que têm fósforo branco- esse produto, por exemplo, tem a sua utilização como componente de armas químicas e é proibida pelas Convenções de Genebra e especialmente pela Convenção sobre Armas Químicas, reafirmando os termos do Protocolo de Genebra de 1925, que proíbe o uso de armas químicas e biológicas. As nações que compõem a OTAN certamente têm conhecimento disso.

Bombas e munição de artilharia e morteiros, quando contêm fósforo, explodem em flocos inflamáveis, mediante grande impacto. Constituem artefatos incendiários e provocam queimaduras terríveis, que em muitas ocasiões são fatais. Nos meios militares, o fósforo branco é referido como WP (white phosphorus) ou "Willy(ie) Pete", expressão que data da Primeira Guerra Mundial. Há indícios de que os EUA tenham utilizado tais armas no Vietnã e até mesmo no Iraque e Afeganistão. Se utilizou-as a grande imprensa mundial “ limpinha e cheirosa” guardou-as muito bem.

Mas diferentemente de pessoas como McKinney, que anuncia preocupações corretamente humanas contra os invasores imperialistas que envergonham-nos como gente, há pessoas que defendem tais expedições mortíferas e atribuem essas ações a questões relacionadas a religiosidade e aquelas relacionadas ao modelo econômico e a mais antiga das intrigas que afligem a raça humana: aquela que se preocupa com a distribuição das riquezas e o destino de suas aplicações, e por extensão, de suas perspectivas futuras. Política nenhuma, justifica as atrocidades e horrores de qualquer guerra. Custará até quando e quanto ao homem moderno abandonar tal escolha tão pouco humana! “ Se não lhe impõe obstáculo é quase invariavelmente fatal”! Precisamos fazer algo mais!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution-ShareAlike 2.5 Brasil.