Pages

Subscribe:

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

A desestabilização econômica na Venezuela repete o precedente chileno.


Venezuela- Diário Liberdade-Um esclarecedor vídeo que nos chega da Venezuela alerta para a gravidade da conspiração em desenvolvimento, montada em Washington com o objetivo de destruir a Revolução Bolivariana.

A intensificação da desestabilização econômica desencadeada naquele país pela direita repete com pouca imaginação a primeira fase do plano golpista contra o Chile da Unidade Popular, ideado pela Administração Nixon e cujo desfecho foi o sangrento golpe fascista do 11 de setembro de 1973.

Em Caracas e nas principais cidades da Venezuela a escassez é hoje uma realidade. Nos supermercados falta carne, peixe, farinha, arroz, óleos comestíveis, sabão, até papel higiênico. O bolívar desvaloriza-se, o câmbio negro do dólar dispara, a inflação galopante aumenta a cada semana. A violência alastra, os atentados terroristas multiplicam-se.

A oposição legal organiza manifestações que lembram as passeatas das panelas chilenas, tenta desorganizar os transportes. Os media - controlados maioritariamente pela oligarquia financeira - incitam à rebelião, insultam o presidente, forjam calúnias contra membros do governo.

O Presidente Maduro expulsou diplomatas americanos, demonstrando com provas que promoviam reuniões clandestinas com dirigentes da oposição, incentivando-os a atividades de caracter terrorista.

O paralelismo com ações que precederam o golpe no Chile é transparente.

Documentos desclassificados em Washington revelaram que Nixon deu instruções a Kissinger para financiar e montar, com a colaboração da CIA e do Pentágono, o golpe do 11 de Setembro.

Mas Obama está consciente da impossibilidade de repetir a solução chilena. A derrota da intentona de 2002 persuadiu os generais do Pentágono de que um golpe militar vitorioso é inviável.

A história não pode repetir-se. A grande maioria do corpo de oficiais das Forças Armadas venezuelanas continua a apoiar com firmeza o governo de Nicolas Maduro, sucessor de Hugo Chávez.


Washington pretende com a guerra económica em curso criar uma situação de caos que altere a relação de forças atual, desfavorável às ambições da oposição, cada vez mais controlada por uma direita cavernícola.

Denunciar a conspiração promovida pelo imperialismo estado-unidense e reforçar a solidariedade com a Revolução bolivariana torna-se nestes dias um dever das forças progressistas em todo o mundo.

Os Editores de odiario.info

Foto: Campanha intenacionalista galega de apoio e solidariedade à revoluçom socialista da Venezuela.

Fonte: Diario Liberdade.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution-ShareAlike 2.5 Brasil.