Pages

Subscribe:

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Governo convida jornalistas e opositores a verem de perto contaminação causada pela Chevron



Adital- A fim de evidenciar os prejuízos causados pela petroleira Texaco-Chevron na Amazônia equatoriana o governo deste país está convocando jornalistas, comunicadores, radialistas, analistas, articulistas, ex-funcionários de governos anteriores e opositores políticos a verificarem, pessoalmente, a contaminação provocada pela empresa durante os anos em que atuou na região. A iniciativa, segundo esclarece comunicado divulgado nesta segunda-feira, 07 de outubro, pela Secretaria de Comunicação do Governo, busca também comprovar que, ao contrário do que já foi cogitado, a contaminação petroleira não é oriunda da empresa estatal Petroecuador.


 A visita dará ênfase à situação do campo Aguarico 4, na província de Sucumbíos. O local foi escolhido no mês passado, depois que o presidente Rafael Correa fez uma visita à cidade de Aguarico (que a petroleira explorou de 1964 a 1990), mergulhou sua mão em uma das piscinas de rejeitos e constatou que ainda há petróleo.




 Estima-se que haja cerca de 4 mil piscinas como essas na Amazônia equatoriana, ocultadas por camadas de terra ao invés de terem sido remediadas. Os produtos contaminantes encontrados nas piscinas e nos rios amazônicos são causas de enfermidades adquiridas pela população local. A Chevron se exime da culpa e afirma que a contaminação e a limpeza das piscinas de petróleo em Aguarico são de responsabilidade da estatal Petroecuador.



 A partir desse episódio, Correa lançou a campanha "A mão suja da Chevron”, em que convoca a população mundial a não comprar os produtos da petroleira norte-americana. Assim, para que outras pessoas constatem o mesmo, foi que o governo decidiu chamar à visita. "Para acabar com as dúvidas sobre a veracidade da contaminação causada pela petroleira Chevron na Amazônia só há uma forma de comprová-la e os jornalistas sabem: as provas, os dados, as cifras, os testemunhos e a viagem à fonte são o registro mais isento para isso”, assinala o governo no comunicado da Secretaria de Comunicação da Presidência (Secom).

 "Para despejar las dudas sobre la veracidad de la contaminación causada por la petrolera Chevron en la Amazonía, solo hay una forma de comprobarlo. Y los periodistas saben: las pruebas, los datos, las cifras, los testimonios y el viaje a las fuentes son el registro más expedito para ello”.
 O governo informou que vai oferecer a logística necessária para a realização da visita no próximo dia 15. Os interessados devem confirmar presença pelo e-mail relacionespublicas@secom.gob.ec. A comitiva de visitantes vai sair em um voo que partirá do aeroporto Mariscal Sucre, da cidade de Quito, para Lago Agrio.

 Com informações de Notícias Andes.

Fonte: site Forumdireitoshumanosmt

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution-ShareAlike 2.5 Brasil.