Pages

Subscribe:

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Após entregar o campo de Libra, Dilma abre o BB para o capital financeiro internacional

LBI-O governo da Frente Popular ampliou por meio de decreto presidencial o limite de participação de estrangeiros (rentistas internacionais) no capital acionário do Banco do Brasil de 20 por cento para até 30 por cento, informou a diretoria do banco em “fato relevante” divulgado nesta última sexta-feira (25/10). O fato ocorre na sequência da entrega do campo petrolífero de Libra para as transnacionais do setor, através de um vergonhoso leilão de “cartas marcadas”.

 Em setembro de 2009, a direção do BB havia informado a elevação do limite de 12,5 por cento para 20 por cento, na mesma ocasião em que foi autorizada pelo governo Lula a emissão de American Depositary Receipts (ADRs) da instituição financeira. A continuar esta dinâmica das privatizações promovidas pelos governos neoliberais do PT, o BB no final de 2018 terá em sua composição acionária pelo menos 45 por cento de capital internacional.

Não por coincidência será a mesma “modelagem” que administra o controle acionário da PETROBRAS. Sob este “formato” as empresas estatais brasileiras, apesar do controle formal do governo, seguem os interesses do mercado e dos acionistas privados que não tem o menor compromisso com o desenvolvimento nacional. De empresas “públicas” as estatais historicamente já não tinham nada, serviam à acumulação de capital para a burguesia nacional, mas a partir da “era” FHC intensificada pelos governos do PT agora servem diretamente aos negócios do capital financeiro internacional.


A notícia do avanço da internacionalização do BB teve ampla repercussão na imprensa “murdochiana”, principalmente nos pasquins econômicos, sendo saudada como mais um passo do governo Dilma em direção à “abertura” do país ao mercado internacional. Os “ortodoxos” neoliberais afirmam que o Brasil possui uma economia estatizante e fechada, ainda herança do regime militar, mas que nos últimos 20 anos vem “abrindo fronteiras” para a iniciativa privada, o interessante é que nestes quase vinte anos de “entreguismo” pelo menos dez são de responsabilidade do PT.

 No caso especifico do BB a emissão dos recibos de ações negociados no mercado norte-americano ocorreu inicialmente em dezembro de 2009, quando o banco informou que a iniciativa permitiria a diversificação da base acionária e o aumento da liquidez das ações. E ainda tem petista “cara de pau” afirmando que o governo Lula era “nacionalista e antineoliberal”.

Mais uma vez as direções sindicais “chapa branca” se fingiram de mortas quando a questão se trata de denunciar a orientação neomonetarista do governo do PT. A CONTRAF e o sindicato dos bancários de São Paulo (maior do país) não emitiram um único comunicado criticando a “lenta e segura” privatização (internacional) do BB, que funciona sob a ótica da superexploração de seus funcionários. A CONLUTAS seguiu o mesmo caminho do silêncio da burocracia cutista, talvez para não comprometer futuras alianças com o PT em eleições de aparatos sindicais.

A vanguarda classista deve se preparar para enfrentar uma etapa de dura ofensiva neoliberal contra suas conquistas históricas, desta vez guiada por um governo que se diz de “esquerda”. Para os trabalhadores bancários a tarefa que se coloca é a luta em defesa das empresas estatais, sob a dinâmica do controle operário e pondo fim à participação do capital privado em suas composições acionárias. O combate pela completa estatização da banca financeira mantém plenamente sua vigência em paralelo à ação direta para expulsar os rentistas e parasitas internacionais do controle das empresas estatais brasileiras.


Fonte:  site LBI

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution-ShareAlike 2.5 Brasil.