Pages

Subscribe:

sábado, 6 de julho de 2013

Pela retirada da Minustah do Haiti.


A Minustah, lamentavelmente, fracassou em relação aos objetivos estabelecidos pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas. Ou melhor: o único objetivo que cumpriu foi o de ocupar militarmente o País a serviço dos interesses que não são os do irmão povo haitiano. Sua presença responde a uma política que priva a população de sua cidadania, seus serviços públicos, sua terra, seus bens naturais. O Haiti não deve ser mais um laboratório da economia e da “segurança” neoliberal, políticas que geraram ainda a dívida, uma arma adicional contra os povos, como vemos em toda a América, o Sul do Globo e agora também na Europa.

 Averdade- No 1º de junho, uma série de atos exigiram a saída imediata das tropas da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah) e o fim da intervenção estrangeira no país. A seguir o manifesto das entidades democráticas da República Dominicana denunciando as constantes agressões das tropas da ONU ao povo haitiano.

Há exatamente nove anos, em 1º de junho de 2004, as tropas militares da Minustah, a Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti, invadiam este país irmão sob o pretexto de uma suposta “estabilização”, que nunca chegou. Tudo ao contrário!

Em lugar de melhorar a situação gerada pelo golpe de Estado de 2004, a Minustah aumentou os níveis de violência contra um povo despojado de todos seus direitos, debaixo da opressão de um sistema baseado no trabalho semiescravo, do desemprego de 70% da população economicamente ativa e dos salários subumanos.

Ao invés de promover a paz, as tropas da ONU cometem violações sistemáticas dos direitos humanos essenciais da população e importaram o cólera, doença que, até agora, deixou mais oito mil mortos e de 600 mil enfermos. Expressamos nossa especial indignação frente à atitude da ONU, que preferiu evocar a imunidade de suas tropas a fim de rechaçar qualquer indenização às famílias das vítimas diretas e da reparação dos imensos danos causados ao País.

Por onde se olha, é inconcebível sustentar que a Minustah – militares e policiais que provêm, em sua maioria, da Argentina, Bolívia, Brasil, Colômbia, Chile, Equador, El Salvador, Guatemala, Paraguai, Peru, Uruguai – devem permanecer no Haiti.

Em 2011, o Senado haitiano votou, por unanimidade, pela retirada das tropas da Minustah para o ano de 2012. Os ministros da Defesa dos países da Unasur apontaram a necessidade de reduzir a presença de suas tropas e estabelecer um plano de retirada em junho de 2012, mesmo que este compromisso tenha ficado apenas em palavras. As organizações haitianas realizaram inúmeras manifestações massivas contra a presença da Minustah, incluindo funerais simbólicos em Petite Riviére de l’Artibonite e Porto Príncipe, em outubro de 2011. Ações judiciais estão em curso contra a ONU pela introdução do cólera, e um conjunto de associações chamado Kolektifòganizasyon pou dedomajeviktimkolerayo trabalha sem descanso para fazer justiça sobre o caso.

A Minustah, lamentavelmente, fracassou em relação aos objetivos estabelecidos pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas. Ou melhor: o único objetivo que cumpriu foi o de ocupar militarmente o País a serviço dos interesses que não são os do irmão povo haitiano. Sua presença responde a uma política que priva a população de sua cidadania, seus serviços públicos, sua terra, seus bens naturais. O Haiti não deve ser mais um laboratório da economia e da “segurança” neoliberal, políticas que geraram ainda a dívida, uma arma adicional contra os povos, como vemos em toda a América, o Sul do Globo e agora também na Europa.


Haiti não necessita de tropas militares nem da Minustah nem de nenhum outro país!

Haiti necessita do reconhecimento de sua dignidade, seu potencial e direito à autodeterminação, como todo povo!

Necessita que lhe tirem de cima as mãos e botas que o dominam. Necessita de médicos, sanitaristas, educadores, engenheiros, técnicos, todos eles a serviço da reconstrução que o povo haitiano reclama, um povo historicamente dizimado, mas que conserva a dignidade de ser o primeiro país livre e antiescravista da Nossa América.

Por tudo isto, neste 1º de junho, convocamos a nos mobilizarmos para exigir:

- Retirada imediata da Minustah e todas as tropas militares do território haitiano;
 - Fim da ocupação econômica e do saque, incluindo a supressão dos acordos de livre comércio;
 - Reconhecimento dos crimes cometidos pela Minustah, incluindo a introdução do cólera, a punição aos responsáveis e a indenização das vítimas;
 - Restituição e reparação da dívida histórica, financeira, social e ecológica que se deve ao povo do Haiti;

Movimento de Trabalhadores Independente (MTI)
Comissão Nacional dos Direitos Humanos (CNDH)
Corrente do Magistério Juan Pablo Duarte
Juventude Caribe
Frente Estudantil Flavio Suero (Feflas)
Fórum Social Alternativo (FSA)
Frente Universitária Renovadora (FUR)
Frente Ampla (FA)

Fonte: site Averdade.org

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution-ShareAlike 2.5 Brasil.