Pages

Subscribe:

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Sobre verdades e mentiras.


Recentes pesquisas divulgadas demonstram que os governos de Hugo Chavez e Barack Obama possuem avaliações diferentes por parte das respectivas populações de seus países. O interessante a observar-se é que Obama tem a reprovação de 53% dos entrevistados quando se avalia a forma como vem desenvolvendo os seus trabalhos, ou seja, o modus operandi ( modo de operar ). A pesquisa ainda indica, de forma bastante clara, que Obama é reprovado também na condução da Economia, sobretudo em face as medidas adotatadas recentemente para tentar conter os péssimos indicadores sociais do país. A amostragem foi divulgada pelo jornal Washington Post e ABC News datada de ontem.


Entrementes na Venezuela tudo vai bem para o comandante Hugo Chávez que conseguiu alcançar índices de aprovação da ordem de 59,3%. Exatamente. Aproximadamente 60% da população venezuelana apóia o governo de Chávez para a tristeza da elite entreguista e americanófila.


A pesquisa foi realizada pela conceituada empresa El Grupo de Investigación Social Siglo XXI que apresentou e divulgou os resultados. Estes são claros e bastante contundentes. Não houve nenhuma manipulação de tendências segundo os divulgadores. Para que não paire dúvidas sobre tal informação quem não se lembra do episódio do plebiscito em que Chavéz perdeu ( na ocasião ele propôs reformas constituicionais que obtiveram a aprovação de 49,29% dos votantes , enquanto o “ não” conseguiu 50,71% ) e a Imprensa Golpista Brasileira- cognominada de PIG- por meio de um de seus mais intrépidos representantes, divulgou uma manchete falaciosa, na verdade uma notável “barriga”, na ocasião o grande jornalista Azenha em seu blog viomundo, destacou espetacularmente o vexame do jornaleco decadente de São Paulo. O “jornal” tendenciosamente sugeria que ocorrera uma fraude, ou que o resultado não poderia ser diferente dos desejos do Presidente Chávez. Um vexame com significativos precedentes em publicações no exterior, sobretudo nos Eua, onde a imprensa “cheirosa” do Brasil busca suas inspirações mais proeminentes.



Realmente algo, ao menos aparentemente, não vai bem. A sociedade estadunidense, erigida nos últimos séculos, sobre as bases mais robustas do liberalismo econômico, com as devidas adaptações nascidas e gizadas por notáveis como Adam Smith e John Locke, parece que está se esgotando ou se auto destruindo. A hipocrisia de um Estado onde seus governantes entusiasticamente negaram o Estado regulador e defenderam o livre mercado, leia-se “ vale tudo”, já não cabe mais. A exclusão social que esse modelo provocou e vem a patrocinar pelos quatro cantos do planeta começam a provocar questionamentos. Ainda, é certo, há muito por descobrir.

As expectativas de Obama precisam ser refeitas. Os mafiosos do capital sabem disso. Os crimes dos Eua, o Estado terrorista que é vendido ao mundo como o ideal de sociedade democrática e livre já não cabe mais. A alienação em que medram a maioria dos cidadãos que vivem espalhados pelo globo teve seu prefácio de elucidação a partir da produção intelectual de Marx. Estamos no início de uma longa trajetória onde instituições seculares começam, também, a serem desmascaradas. As redes sociais têm uma força espetacularmente emocionante que assusta esses “segmentos” estamentais ( detentores dos Meios de Produção ) que desconfiam que o seus pesadelos são apenas o início de algo muito maior e que , para eles, é inelutável.


As elites da Venezuela, aquela que adora “Miami beach” e seus portentos shopping Centers, também desconfiam que algo não está bom. Algo está definitivamente errado, vociferam! “Os EUA não farão nada para detê-los ?” dispara outro visivelmente desnorteado.

O modelo então colocado em prática por Chávez, mesmo contando com a grande imprensa furiosa e contrária, e que vem destilando seu veneno diuturnamente sem sucesso, assusta-os e ao mesmo tempo aproxima e unifica o membros e defensores desse secular clube. É, exatamente como o de Bilderberg. “Eles estão confusos, eles caminham de um lado para o outro, (..) estão nervosos e são covardes!” (1)


O povo venezuelano avança em direção a algo muito diferente do legado pelas elites e pelas instituições que secularmente vem anestesiando as sociedades. A certeza, tão cruel para alguns e magnificamente revolucionária para outros, e que são a maioria, é a de que o Liberalismo, que atende a maioria pelo nome de Capitalismo não dá mais conta do recado e tem o seu fim próximo.



Obama e seus mecenas, estejam eles em Roma, Israel ou noutro lugar, sim há outros, sabem perfeitamente que a guerra não poderá salvá-los. A hipocrisia e a mentira, sejam quais forem seus invólucros, não vencerão a verdade. Vivamos o modelo de vida mostrado por Chávez. Reflitamos sobre as catástrofes protagonizadas pelo modelo de Barack Obama e suas conseqüências para o futuro da espécie humana.

1- uma fala do filme "O poder de um Jovem¨". personagem de Morgan Freeman antes de ser assassinado por um nazifascista

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution-ShareAlike 2.5 Brasil.