Pages

Subscribe:

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Salário de médico é de apenas R$ 650.




Chega a ser irritante e desgastante reportar sempre a fatos e circunstâncias vexatórias, como as oriundas de ações do tucanato paulista.  A  destruição do Estado  a partir do desmonte de setores como Educação, Saúde, Segurança e Transporte é algo de inacreditável e profundamente indissociável aos tucanos  E, ao que parece,  eles não  querem “largar o osso”.  O osso da terceirização e das famosas privatizações..


A maior gravidade  de tudo isso e que acaba por encobrir tal fenômeno, é a cumplicidade da grande imprensa.    Mas isso ainda vai longe.  A propósito, irá muito mais distante do que possamos atentar.   Basta dar uma olhada para seus congêneres nos EUA e Europa.  Os acontecimentos muito recentes  das invasões e assassinatos e a  “pauta única”,  patrocinada pela OTAN e seus desafortunados  ainda fazem presença em nossas mentes.


 Voltemos a São Paulo. O governador  Geraldo Alckmin, do PSDB, fez isso outrora e continua fazendo. O cinismo é a marca indelével de  seus  atos administrativos e que também tempera  os feitos derivados de suas prerrogativas de governador.      O desrespeito as leis e a constituição estão no DNA dos tucanos.  O caso recente  do massacre  da comunidade do Pinheirinho serve para reforçar  tal perfil.

 Manobras de cunho maquiavélico e de caráter duvidoso estão presentes  em decisões e atos na área da Educação.       Este ano, por exemplo,  os professores da rede oficial do estado de São Paulo, foram vítimas de mais uma falaciosa manobra do governo do PSDB.

É,  os tucanos são isso  que aí está.  Como afirma ,espetacularmente, o blogueiro PHA “ se não fosse o PIG  eles não passariam de Resende”.   Este ano tem eleições.  Milagres podem acontecer.         Ou não?

**********************************************************************************************

Retrocesso na saúde em SP: salário de médico é de R$ 650
 O secretário de comunicação do Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp), João Paulo Cechinel Souza, denunciou em artigo para a Folha de S. Paulo (conteúdo para assinantes) a falácia dos avanços apregoados pelo secretário estadual da Saúde de São Paulo, Giovanni Guido Cerri, aos servidores da Saúde do Estado.

 O sindicalista explica que o aumento de dividendos prometido pelo governo do Estado (e ainda não cumprido) para os médicos, por exemplo, de cerca de 19%, “faria com que tais profissionais chegassem a um salário-base verdadeiramente milionário: algo próximo de R$ 650”.

 No artigo, João Paulo também lembra que o secretário omite a ressuscitação (e aprovação) do projeto de autarquização do HC (Hospital das Clínicas) da USP e destaca outros problemas enfrentados pelos médicos no Estado, como hospitais mal equipados e com frequente falta de medicamentos e prontos-socorros com escassez de profissionais.

Leia, a seguir, o artigo na íntegra:

 Infelizmente, os avanços apregoados pelo secretário estadual da Saúde de São Paulo (“Avanços na saúde”, da edição de 17 de janeiro da Folha) demonstram de forma clara a longa distância entre os gestores enclausurados na secretaria e a realidade vivida tanto pelo servidor público estadual de São Paulo quanto (e principalmente) pelos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) paulista.

 O aumento de dividendos prometido (e ainda não cumprido) para os médicos, por exemplo, de cerca de 19%, faria com que tais profissionais chegassem a um salário-base verdadeiramente milionário: algo próximo de R$ 650.

 “Avanços” dessa ordem foram esquecidos pelo secretário, que propagandeou ainda a inauguração de um novo hospital na região do Guarujá, o Instituto de Infectologia Emílio Ribas II.
 Efetivamente, o estardalhaço foi maior do que os fatos: apenas dez leitos estão ativos naquela unidade -número irrisório, para não dizer risível, dentro da complexidade envolvida no atendimento aos pacientes com doenças infecciosas naquela região sanitária.

 O digníssimo secretário também omitiu a ressuscitação (e aprovação) do projeto de autarquização do HC (Hospital das Clínicas) da USP.

 Tal projeto (engavetado ainda na época em que Cláudio Lembo era governador do Estado) traria para o HC, uma vez autônomo na gestão das suas finanças, a possibilidade de privatizar efetivamente os seus leitos hospitalares e ambulatórios.

 Não por acaso, a iniciativa foi recebida com festa por gestores de grandes hospitais e de planos de saúde privados.

 É um fato notório, tendo em vista o esforço para negar a chamada “dupla porta”, consumada nas dependências da instituição e autorizada por tal projeto, que garante aos usuários de planos de saúde privados a utilização de recursos técnicos e humanos disponíveis no HC (com uma agilidade raramente disponível aos que dependem exclusivamente do SUS), que são pagos com dinheiro público.

 Podemos citar também outros problemas que enfrentamos diuturnamente, com a anuência dos senhores gestores: dinheiro do contribuinte sendo colocado nas mãos da iniciativa privada para gerenciamento de hospitais públicos, com mecanismos obscuros de prestação de contas; hospitais mal equipados e com frequente falta de medicamentos; e prontos-socorros com escassez de profissionais -aqueles que se aposentam ou pedem exoneração não são substituídos, pois há anos não temos concursos públicos para provimento dessas vagas.

 Fora isso, ainda naquele artigo, merece destaque também o empenho pessoal do secretário para enaltecer alguns centros de excelência em saúde do Estado.

 Os demais serviços de saúde, porém, permanecem à míngua, com todos os problemas já citados. Eles ficam à espera de que a “benevolência” governamental na hora de distribuir recursos supere os desafios trazidos por apadrinhamentos diversos. Esperam também que se suprima de vez a valorização de projetos particulares de poder.

João Paulo Cechinel Souza, 31, é médico e secretário de comunicação do Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp)




Ffonte: PT Alesp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution-ShareAlike 2.5 Brasil.